O recado para o STF: “Se jogarem fora das quatro linhas da Constituição, entramos no vale-tudo”